Diapositivo1

Economia de corrida e velocidade

Actualmente a RUNTREINO procura conjugar todos amplos conhecimentos e fornecer respostas integradas de Treino e Adaptação à corrida. Não basta termos metas, temos de trabalhar com base em conhecimento prático e especifico de cada um de nós, para que possamos evoluir…

A economia de corrida, que tem sido tradicionalmente medida como o custo de oxigénio da corrida a uma determinada velocidade, foi aceite como o critério fisiológico para o desempenho “eficiente” e foi identificada como um elemento crítico do desempenho geral da corrida de longa distância. Existe uma ligação intuitiva entre a mecânica de corrida e o custo de energia da corrida. O trabalho continuo bem estruturado de treino e as informações de fatores biomecânicos contribuem para uma melhor economia em qualquer corredor.

Uma variedade de dimensões antropométricas poderia influenciar a eficácia biomecânica. A altura média; alto índice ponderal e físico ectomórfico ou ectomesomórfico; baixa porcentagem de gordura corporal; morfologia da perna que distribui a massa mais próxima da articulação do quadril; pélvis estreita e pés menores que a média. Padrões de marcha, cinemática e cinética de corrida também podem estar relacionados à economia de corrida. Esses fatores incluem: comprimento da passada que é escolhido livremente durante um tempo considerável de execução; baixa oscilação vertical do centro de massa corporal; ângulo do joelho mais agudo; menor amplitude de movimento, mas maior velocidade angular de flexão plantar durante o deslocamento dos dedos; movimento do braço de menor amplitude; forças de reação do solo de baixo pico; rotação mais rápida dos ombros no plano transversal; maior excursão angular dos quadris e ombros em torno do eixo polar no plano transverso; e exploração efetiva da energia elástica armazenada. Outros factores que podem melhorar a economia de corrida: amortecimento das sapatilhas e o drop; história de treino mais abrangente.

O consumo máximo de oxigênio (VO2max), limiar anaeróbico e economia de corrida são variáveis fisiológicas que determinam a performance. Por exemplo, McLaughlin et al. (2010) descobriram que as variáveis fisiológicas clássicas explicam 95% da variação em performances de corrida. Sabe-se que o VO 2max e a economia de corrida são limitados por fatores diferenciais. VO2max é amplamente determinada pelo débito cardíaco máximo, como a composição muscular e o metabolismo da gordura. A economia de corrida é uma variável multifatorial, que reflete metabólica, cardiorrespiratória, biomecânica e características neuromusculares.

O conhecimento destas variáveis fisiológicas clássicas é valioso para os corredores entenderem os pontos fortes e fracos fisiológicos (isto é,treinabilidade).

Tu tens ambição?Diapositivo1